"PROGRAMA INCLUDING ME"


OFEREÇA RESPOSTAS ÀS NECESSIDADES DE CADA CRIANÇA!

Actualmente a contratação a tempo inteiro de técnicos especializados na Educação, representa um elevado investimento no orçamento das Instituições.

O "Programa Including Me" oferece alternativas e respostas, junto das Instituições de forma a que estas rentabilizem e complementem a sua prestação de serviços junto das crianças e suas famílias, através de visitas periódicas previamente estipuladas e programadas entre o técnico especializado e o responsável da Instituição.

O "Programa Including Me" consiste na elaboração de Programas/Planificações/Formações/Intervenções Pedagógicas, direccionadas para crianças, não esquecendo, as crianças com Necessidades Educativas Especiais (NEE) em idade Pré -escolar e Escolar.

Os Programas objectivam o enriquecimento e estimulação de competências individuais nas crianças, entre as quais as aptidões escolares. No que refere a crianças com NEE, o desafio será uma inclusão adequada às sua especificidades junto da Creche, Jardim de Infância, ATL, entre outros locais.

O " Programa Including Me" apoia a Inclusão mediada.

ONDE?

A prestação destes serviços pode ocorrer:

- Junto das Instituições Educativas (Creches, Jardins de Infância, ATL, Escola);

-Consulta individual - gabinete;

- No domicílio.

ENRIQUEÇA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DA SUA INSTITUIÇÃO COM AS SEGUINTES ÁREAS DE INTERVENÇÃO.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

O Porquê da Psicopedagogia no Pré Escolar?

  • Fase rica em aquisições;
  • Porque as crianças não aprendem todas da mesma maneira;
  • Período de construção de bases essenciais para as futuras aprendizagens escolares;
  • Possibilidade do Psicopedagogo intervir precocemente, potencializando áreas de melhoria.
A acção do Psicopedagogo no Pré Escolar:
  •  Trabalhar em Equipa Transdisciplinar com a Coordenação Pedagógica; Educadoras e auxiliares;
  • Facultar apoio Técnico;
  • Acompanhar as crianças nas suas actividades em sala, apoiando individualmente cada uma delas numa vertente Psicopedagógica;
  • Desenhar em parceria com Coordenação Pedagógica planos individualizados;
  • Realizar avaliações Psicopedagógicas;
  • Preparar Planos de Transição para 1º ciclo;
  • Promover aconselhamento familiar;
  • Desenvolver acções de formação.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

1ª Classe e agora?
 Pais,
Já alguma vez se confrontaram com a complexa questão,

“Será que o meu filho está preparado para iniciar o 1º ano de escolaridade?”

            Acompanhamento Psicopedagógico que vantagens?
Para a sua criança, não queremos o suficiente mas sim o melhor!

A entrada no mundo escolar tem um grande impacto no desenvolvimento de qualquer criança, mais ainda se considerarmos a exigência da sociedade actual.

O Acompanhamento Psicopedagógico contempla a Avaliação Psicopedagógica e o Plano de Intervenção Individualizado.

A primeira identifica as áreas de desenvolvimento a potenciar para uma aprendizagem escolar plena - aptidões conceptuais; cálculo; lateralidade; constância da forma; entre outras.

Num segundo momento desenham-se e planificam-se sessões direccionadas para enriquecer, estimular e nivelar as áreas anteriormente avaliadas.

Desta forma munimos a sua criança de ferramentas valiosas e aplicáveis às exigências deste primeiro grande desafio.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

A Bênção da Vida

terça-feira, 13 de julho de 2010

No mundo dos pequeninos ...



segunda-feira, 12 de julho de 2010

Rimas e LengaLengas no Pré Escolar


CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA

A aquisição da consciência fonológica é um dos marcos mais importantes adquiridos no Pré Escolar. A "consciência" da língua falada; a sensibilidade aos sons das palavras (fonemas); estrutura sonora e a  percepção de que as frases podem decompor-se em palavras; palavras em sílabas e sílabas em fonemas e estes, por sua vez, repetem-se em diferentes palavras.

O treino fonológico é um pré requisito fundamental para a aquisição da leitura e escrita, por isso está tão presente nas actividades do Pré Escolar através de rimas; lengalengas; separação de palavras em sílabas; identificação de palavras com o mesmo som inicial; identificação de palavras ou sílabas com o mesmo som final; contar os sons que fazem parte das palavras; entre outras.

Segundo Zorzi (2003) a criança só avança para a fase silábica de escrita, quando se torna atenta às características sonoras da palavra, especialmente quando ela chega ao nível do conhecimento da sílaba.

mais...
CAPOVILLA, A. G. S. e CAPOVILLA, F.C. Problemas de Leitura e escrita. Como identificar, prevenir e remediar numa abordagem fônica. São Paulo, Memnon, 2000
GUIMARÃES, S.R.K. Dificuldades no Desenvolvimento da Lectoescrita: O papel das Habilidades Metalingüísticas. In Psicologia: Teoria e Pesquisa. Jan-Abr 2003, vol 19 n. 1. Pp. 33 - 45
ZORZI, J. L. Aprendizagem e distúrbios da linguagem escrita: Questões clínicas e educacionais. Porto Alegre: Artmed, 2003

quinta-feira, 24 de junho de 2010

A importância das Formas de Expressão


Expressão - " (etimologicamente: movimento do interior para o exterior, isto é, uma pressão para afora) é a demonstração de ideia]]s ou sentimentos. A expressão pode ficar como um acto íntimo do que se expressa ou transformar-se numa mensagem]] que um emissor transmite a um receptor, com o que se converte em comunicação]]." Wiki Lingue

Quando ouvimos a palavra expressão, existe na maioria das vezes uma automática associação à classe artística e tudo que esta poderá incluir, pintores; cantores; dançarinos; actores; artistas plásticos etc.

Estará este processo apenas vedado a esta classe?
A resposta será Não.

Ao longo do desenvolvimento humano a capacidade e necessidade de expressão está presente, poderemos até dizer que é inerente ao amadurecimento humano, embora muitos de nós não valorizemos essa libertação e esse despojar de atitude que ocorre no nosso dia-a-dia.
Não será a nossa própria personalidade uma forma muito peculiar de expressão? O nosso Modus operandi?
(aqui fica o desafio, fique atento e tome consciência do que poderá ser a sua forma de expressão e de como se processa).

Expressar será então nada mais que uma forma de comunicar, como tal, de exteriorizar aquilo que nos vai na mente de forma mais ou menos consciente, sim, porque aquilo que expressamos é muitas das vezes produto do nosso inconsciente (será neste momento pertinente recordar as telas de Paula Rego, ou até, alguns desenhos feitos por crianças para análise por parte dos psicólogos).

A(s) forma(s) de expressão é (são) de extrema importância para o nosso equilíbrio, na verdade nem todos temos esta (s) formas definidas, ou talvez, nunca viremos a ter e simplesmente reunir algumas acções que nos ajudam a sentir bem. O importante é passar a nossa mensagem!

Bem-vindo ao mundo da Liberdade de Expressão.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Criança Interior


  
Na verdade nunca deixamos de ser crianças...

Era uma vez ... 

Assim começavam todas as histórias da nossa infância, aquelas que nos liam e também as que nós escrevíamos cheios de vontade de entrar no mundo do imaginário.
 Era uma vez uma pequena princesa chamada Nônô que vivia num rico palácio,  aquele mundo era o único que conhecia e Nônô era muito feliz lá. O seu palaciozinho tinha quatro grandes janelas, era muito macio e sempre com uma harmonia e energia muito positiva no ar.  

Pois pois ... na verdade este pequeno e simpático ser habita o coração de Maria Leonor, uma jovem empresária que enche a sua vida de sonhos, perseguindo o Amor e a Felicidade.  Assim que começou a crescer Maria Leonor percebeu que nunca deixaria de ser criança.

Será que todos nós já chegamos a esta conclusão?
Quantos de nós fala com a sua criança interior? Ora aqui está um belíssimo exercício para colocar em prática, sendo que quanto mais feliz e escutada a nossa criança for, mais felizes e resolvidos seremos nós.